17.08.2021 10 min

Meu primeiro post + 9 momentos de virada da minha carreira (e como esse exercício também pode te ajudar).

Rafa Cappai Rafa Cappai
@rafacappai
compartilhe:

Oioi. Tudo bem? Você chegou até aqui no primeiríssimo post desse blog e isso significa muito pra mim! Obrigada!

Foto de Valéria Vieira
Foto de Valéria Vieira

Não sei se você sabe, mas eu produzo conteúdo na Internet, desde 2010 e, acredite ou não, essa é a primeira vez em que eu posto no meu próprio site, em meu próprio nome. Assumindo a minha própria marca pessoal…

Eu tive um site no ar por alguns meses em 2016, mas meu perfeccionismo na época não me deixou continuar. E agora, alguns bons anos depois, esse site aqui ganha o mundo! Muita água rolou entre um e outro, mas isso eu conto depois.

Sim, essa é a primeira vez que eu tenho – oficialmente – um site pessoal e esse é um importante passo, pessoalmente e profissionalmente. Eu já até contei um pouco desse processo aqui. De como eu acabei me escondendo atrás da marca de uma outra iniciativa que eu lidero – a Espaçonave. Pode parecer pouco mas, pra mim, é gigante estar inaugurando esse post e eu espero ter oportunidade de te contar mais sobre isso também no futuro.

Bom, mas se você já me conhece, me permita me apresentar novamente pr’aqueles que são novos por aqui. Ou até mesmo, quem sabe, eu não te surpreenda com alguns detalhes. Esse é o site de uma pessoa e profissional criativa, multipotencial e multiespecialista então, possivelmente, tenho muita coisa na cartola que talvez você não conheça ainda.

Meu nome é Rafaela Cappai e eu sou artista e criadora, desde que me entendo por gente. Sou atriz, bailarina, comunicadora, palestrante, educadora, mentora e empreendedora criativa. Sou fazedora e pensadora da economia criativa e das novas economias no Brasil. Tenho uma mente e um corpo inquietos. E potentes.

Sou fundadora do Ecossistema Criativo, que atualmente abarca as marcas Espaçonave, Punch! e Rafa Cappai (por enquanto). Tenho uma trajetória artística e acadêmica rica e plural e formação internacional. Tudo isso me ajudou a desenhar uma metodologia de educação empreendedora e criativa, que já formou milhares de profissionais e foi premiada pelo Ministério da Cultura, através da extinta Secretaria de Economia Criativa, em 2013.

Sou graduada em Comunicação Social (PUC-Minas), com MBA em Marketing e Vendas (Newton Paiva) e Mestrado em Artes, Empreendedorismo Cultural e Criativo (Goldsmiths University of London), além de um Bacharelado em Artes Cênicas não concluído (UFMG).

Fui palestrante 2x do TEDx e já subi nos palcos dos mais importantes eventos sobre criatividade e cultura digital e empreendedorismo do Brasil, como Fire (Hotmart), Feira do Empreendedor (Sebrae), Fator X Live (Pedro Superti), Mega Artesanal, Rock in Rio Humanorama, Festival Path, entre outros.

No final das contas, sou uma pessoa em busca, em constante movimento. Aprender (sobre mim mesma e sobre o mundo), refletir, criar e me conectar são meus grandes baratos nessa vida. Já fiz de tudo um pouco e ainda pretendo fazer muita coisa. Mas, mais importante do que o que faço, é porque o faço: porque eu acredito que cada um de nós tem um potencial criativo que precisa ganhar o mundo. E, ao ganhar o mundo, nosso potencial nos ajuda a nos conectar com outros seres-humanos e a nos transformar. Autoconhecimento, desenvolvimento pessoal e criatividade, tudo junto e misturado.

Mas, como esse é só o primeiro post, eu queria te contar sobre 9 momentos de virada importantes da minha carreira e, quem sabe, te estimular a pensar nos momentos-chave da sua também. Já fez esse exercício? Nossa trajetória criativa diz muito sobre a gente e olhar pra trás e refletir sobre o que fizemos nos ajuda a pensar em quem somos e em quem queremos nos tornar! Experimentaí!

Crie o seu universo e convide as pessoas para entrar!”

1. Minha primeira infância e o método Montessori.

Minha mãe fez questão de nos colocar (a mim e aos meus irmãos) em uma escola Montessoriana, que se chamava Instituto Montessori Criança Feliz e eu a agradeço até hoje por isso. Sinto que a criatividade fez parte da minha infância, desde muito cedo, como um valor importante, essencial, na verdade. Lá, nessa escola, eu tive a oportunidade de experimentar muita prática diferente, como clube de ciências, olimpíadas, teatro, artes manuais, contato com animais, entre outras. E lá, acredito eu, nasceu minha paixão pela criatividade e minha aptidão à multipotencialidade.

Em cena, como a bruxa má do espetáculo A Bruxinha Que Era Boa, de Maria Clara Machado e direção de Juca Bianchinni, aos 9 anos de idade, no Instituto Montessori. Acervo pessoal.

2. Meu início na dança.

Eu comecei a dançar aos 4 anos de idade e, aos 14, fui convidada a integrar um grupo profissional de dança, em Beagá, minha cidade natal, chamado Grupo Camaleão. Nessa ocasião, recebi meu carimbo como bailarina profissional e, logo na sequência, aos 17, me profissionalizei também como atriz, tudo na carteira de trabalho. Sinto como se as artes tivessem me escolhido, antes mesmo d’eu começar a escolher o que gostaria de fazer. Viajei Minas e alguns lugares do Brasil ainda antes dos 18, para me apresentar. E tenho muito orgulho de ter começado a minha carreira tão cedo e ter conseguido conciliar tudo isso com os meus estudos. Acho que esse período foi essencial na minha formação, quando minha capacidade de trabalhar em grupo e minha disciplina foram moldados. Um pouco depois disso, eu passei no vestibular para Jornalismo, enquanto ainda trabalhava profissionalmente.

Primeira matéria de jornal, aos 14 anos de idade.

3. Quando virei apresentadora de TV:

Logo que saí da faculdade de Jornalismo, passei por um processo de seleção para o elenco da TV Horizonte, uma rede que transmitia para mais de 600 municípios de todo o Brasil. Lá foi minha escola de produção e comunicação, onde eu aprendi a escrever roteiros, pesquisar pautas, produzir programas, atender o público, fazer matérias na rua e apresentar programas. Em dois anos de experiência aprendi muito do que uso até hoje, no meu trabalho de produção de conteúdo pra Internet. Foi uma escola!

Apresentando o programa Cinema dem Cena, da TV Horizonte, ao lado de Pablo Villaça. Acervo pessoal.

4. Quando decidi produzir os meus próprios espetáculos:

Uma outra virada de mesa na minha carreira foi quando resolvi produzir meus próprios espetáculos, em 2006. Eu já tinha uma carreira como atriz, mas vi que precisava assumir as rédeas do meu caminho. Tenho muito orgulho dessa menina (eu ainda não tinha nem 30 anos), que bancou seus sonhos, resolveu empreender, convenceu outros artistas pra embarcar junto, batalhou grana pra realizar, esteve no palco e na direção de produção ao mesmo tempo… No total, foram 3 espetáculos produzidos entre 2007 e 2010, uma espécie de furacão, ao lado de uma sócia, Priscilla D’Agostinni, na Aff! Comunicação e Cultura. Olho pra esse momento da minha carreira com muito carinho e me emociono pela força que tive pra fazer tudo isso acontecer! Minha versão mais jovem tem me inspirado muito para a minha próxima virada de chave. 

5. A fundação e a trajetória da Espaçonave:

Um outro ponto de inflexão importante foi a criação da Espaçonave, ainda em 2010, onde eu compartilho, desde então, tudo que aprendo sobre ser criativa e empreendedora, ao mesmo tempo. Uma necessidade pessoal (ter um trabalho artístico e criativo sustentável), acabou virando conhecimento compartilhado com muita gente. Já são 11 anos de Espaçonave e mais de 4 mil alunos e nosso legado está aí, espalhado por todos os estados do Brasil e mais de 20 países ao redor do mundo. Não há como negar a importância que a Espaçonave teve e sempre terá na minha vida. E como fizemos diferença na vida de um tantão de gente criativa desse mundão. 

O início da Espaçonave, em uma dos primeiros workshops de empreendedorismo criativo que realizei. Vídeo por Bruno Peixoto.
Lançamento do meu livro, em 2015. Foto por André Lippi.
Deu tudo certo! 😉 Matéria na Pequenas Empresas, Grande Negócios, em 2017.

6. Quando realizei meu primeiro TEDx:

Em 2015, eu fui convidada pra fazer o meu primeiro TEDx e foi um ponto de virada importante. Um sonho realizado. Confesso que, até esse momento, eu ainda tinha uma espécie de síndrome do patinho feio e sentia que meu trabalho não era valorizado e reconhecido pelas pessoas ao meu redor e pelos meus pares. Fazer um TEDx sobre criatividade e multipotencialidade, que impactou (e ainda impacta) a vida de tanta gente (dá uma lida nos comentários), foi um marco na minha carreira e um espaço pra começar a colocar minha própria voz (e não apenas através da Espaçonave) pra fora. Eu ainda me emociono só de assistir. Sou muito grata pelo convite! Obrigada equipe TEDx Blumenau

7. O sabático.

Em 2020, 15 antes da pandemia, e depois de alguns anos após ter sofrido o terceiro burnout (e continuar vivendo com stress crônico), cheguei à constatação de que precisaria parar, de verdade, algo que estava evitando há tanto tempo. Fiz um sabático de cerca de 12 meses e essa pausa foi essencial para olhar pro meu trabalho e pra minha carreira com outros olhos e para construir uma nova relação com o meu tempo e minha produtividade, em busca de ainda mais saúde, bem-estar e sustentabilidade, através da construção de uma vida realmente criativa.

8. Meu próximo projeto, TRAUMA:

Tenho orgulho de estar dando a volta no meu próprio mundo e voltando a criar e produzir em artes cênicas, trazendo, claro, tudo que eu aprendi nos últimos anos sobre empreendedorismo e sustentabilidade criativa. Esse projeto ainda está em fase embrionária, mas me orgulho de estar abrindo uma nova janelinha (ou seria reabrir uma janela que estava fechada há anos?), mesmo cheia de medos e receios. Nesse momento em que escrevo esse texto, o primeiro manuscrito desse monólogo já foi ao mundo e o projeto já foi desenhado. Estou agora na fase de busca de financiamento da ideia para colocá-la no mundo. Me espere nos palcos novamente em 2022 ou 2023, dependendo de como essa pandemia caminha! 

9. Esse site que vos fala e o início de uma nova fase da minha carreira.

Esse bebê aqui acabou de nascer, mas eu já tenho muito orgulho de ter vencido o monstro do perfeccionismo e a dificuldade de organizar tudo que sou e faço em um só lugar, indo contra os “especialistas” que dizem que a gente precisa focar pra ter uma carreira reconhecida. Quero que esse site seja inspiração pra um montão de criativos e multipotenciais que decidem ir contra a corrente e abraçar tudo aquilo que são. Aqui estou fazendo exatamente isso e espero te inspirar também a fazer o mesmo… 

“O que a gente cria, cria a gente!”

Enfim, espero com esse post a ter te inspirado a olhar com carinho e orgulho pra sua própria trajetória e, quem sabe, não fazer o mesmo? Já pensou em escrever sobre os 5, 6 ou 7 principais momentos da sua carreira e que te inspiram? Tente olhar pra sua carreira com compaixão e orgulho. Vendo como aquela pessoa lá de trás precisou de força e coragem pra estar aqui hoje. É um exercício potente pra valorizar seu capital criativo e sua multipotencialidade! Experimenta e depois posta aqui nos comentários pra eu te conhecer melhor?

Rafa Cappai Rafa Cappai
@rafacappai
compartilhe:

Se quiser ficar mais pertinho, te convido a assinar minha newsletter!

Outras postagens